Olhos de Lince – Operações Agrícolas Noturnas

0
504

Nos últimos dias tive mais uma inspiração para escrever no blog. Estava acompanhando uma operação de colheita de um grande amigo meu durante o período noturno e recebi uma ligação perguntando onde eu estava. Prontamente respondi que estava acompanhando a colheita e ouvi vários risos do outro lado da linha porque a pessoa achou que era impossível fazer operações agrícolas durante a noite.

Com a área plantada gigantesca que temos nos dias de hoje e as agroindústrias funcionando 24hs por dia, não tem como não ter operações agrícolas durante a noite. Elas acontecem com muita frequência e principalmente nas grandes culturas.

Essa dúvida me fez pensar um pouco mais sobre o assunto e então prestei atenção aos detalhes das operações. Como estava em uma colheita de cana, vou relatar os detalhes desta operação específica.

A colhedora possui grandes faróis que acendem para iluminar uma região a frente da mesma. A visão externa dela é assim:

CAM02143Ao olhar os faróis, dá a impressão que a visão seja plena, porém de dentro da cabine não é bem assim. Em uma operação de colheita o operador deve observar diversas coisas ao mesmo tempo:

  • Observar as linhas de cana,
  • Checar os indicadores do painel da máquina;
  • Verificar a posição do transborso;
  • Olhar para a esteira se está descarregando a carga uniformemente.

Daí que vem o título do post. Para o operador da colhedora ter a visão destes processos ao mesmo tempo é um tanto complicado. As imagens a seguir mostram a visão do operador de dentro da cabine para a cana, o trator que puxa o transbordo e a posição da esteira.

CAM02140 CAM02136 CAM02135 (1)

A noite a visão realmente fica bem comprometida e o principal problema nessa operação que nos foi relatado é a queda  das colhedoras de cima dos terraços e consequentemente o seu tombamento lateral. Portanto as operações noturnas exigem profissionais altamente competentes e um pouco de sangue frio.

São necessários olhos de lince para que tudo dê certo.

Deixe uma resposta