A “safrona” voltou a ser “safrinha”?

0
252

milho

Nos últimos meses viemos acompanhando que a safrinha no país tem sofrido bastante por conta da seca. Será que a safrona voltou a ser safrinha?

A safrinha de milho ao longo dos últimos anos veio ganhando um destaque impressionante na produção do grão no país. Com a produção de verão voltada para a soja, uma vez que essa apresentava um melhor retorno financeiro, o milho cada vez mais foi deixado para a safrinha e com o aumento da área de produção de grãos, aquilo que era safrinha acabou virando safrona, seja em quantidade quanto em produtividade.

É indiscutível a importância que o grão tem para o país na produção de animais. A avicultura e suinocultura dependem do milho e sofrem se os estoques estiverem baixos. Neste momento, diversos produtores estão importando milho da Argentina para suprir a necessidade das fazendas.

Mas porque a safra de milho esse ano será menor? De maneira alguma a segunda safra que foi apelidada de safrona ou safrão perdeu o fôlego. O grande problema neste ano foi o clima. O mês de abril seco na maior parte do cerrado fez com que a produção despencasse. É pouco provável que o clima mantenha esse período seco para os próximos anos, mas é cada vez mais claro que eventos extremos vem acontecendo com intensidades maiores. Culpa das mudanças climáticas globais.

Nos últimos anos vimos perdas gigantescas no leste europeu, nos EUA e no Brasil por conta de eventos de seca. Seria essa uma onda que veio para ficar e a agricultura deve conviver com esse novo cenário? Eu acredito que sim! Mês após mês vemos recordes de temperatura média e o mais preocupante é que essas temperaturas médias são puxadas pela alta das temperaturas mínimas. Por sua vez o aumento das temperaturas mínimas aumentam a probabilidade de eventos extremos climáticos como a seca.

Enfim, esse será um ano atípico para o país, mas é um alerta que devemos nos preocupar com eventos climáticos para não deixarmos a agricultura com maior potencial do planeta a mercê de destino. A safrinha continua safrona, mas devemos ter os cuidados necessários para que as perdas sejam mínimas para que o país não sofra mais sustos no futuro.

Deixe uma resposta