Meetup Biotech + AgTech discutiu desafios e soluções na citricultura

0
437

O AgTech Campinas e o Venture Hub realizaram na noite de 11 de junho mais um Meetup Biotech + AgTech. O tema deste encontro no auditório do Venture Hub foi Discutir os desafios e soluções para a Citricultura . Para discorrer o assunto, foram convidados especialistas de instituições públicas e empresas privadas.

Quem abriu  o evento foi Gilberto Tozatti, consultor de Citros na GCONCI e especialista em Agronegócios. Tozatti apresentou o papel de liderança do Brasil na produção global de suco de laranja concentrado congelado (FCOJ em inglês) e o aumento na tecnificação da produção do fruto, exemplificado pelo aumento na produção em conjunto de uma diminuição expressiva da área cultivada. Por último ele falou do aumento da incidência de pragas nos pomares, principalmente por organismos invasores, e o substancial incremento das operações de pulverização para combatê-las.



O segundo a se apresentar foi Marcelino Borges de Brito, Coordenador de desenvolvimento Agronômico e de Mercado na holandesa Koppert. Ele expos o início humilde (mas epifânico) da empresa, quando um fazendeiro reparou que um agente biológico foi capaz de salvar seu cultivo de pepinos. Brito enfatizou que o controle biológico de pragas funciona quando é feito a partir de matéria prima (micro e macro organismos) de qualidade, criando um circulo virtuoso no ecossistema local da lavoura.

Seguindo na linha de controle de pragas em citros, Rodrigo Salvador, Consultor de Desenvolvimento de Mercados na japonesa IHARABRAS, apresentou o a importância das moléculas químicas na proteção da citricultura. Rodrigo apontou que o cuidado e o planejamento no manejo das aplicações de defensivos são fundamentais para tirar maior proveito das moléculas de última geração e garantir a segurança no consumo dos frutos. Por fim, ele apresentou o novo fungicida biológico da IHARA, o ECOSHOT, que fornece proteção ao pomar sem comprometer limites máximos de resíduos nem exigir carência para colheita, comprovando que o consórcio de tratamentos químicos-biológicos é o futuro na produção agrícola.

Encerrando o encontro,  Ricardo Moncorvo, coordenador de assistência técnica  integral no CDRS ( antigo CATI) apresentou o papel de pioneirismo da instituição no suporte e avanço da citricultura paulista. Ele prosseguiu contando a transição do CDRS de uma instituição focada no suporte final da produção  para uma missão de difusão de conhecimento e boas práticas agrícolas, fazendo valer da sua singular capilaridade nos municípios agrícolas. Moncorvo também fechou sua apresentação com questionamentos e  reflexões importantes ao avanço técnico-científico da agricultura.

Deixe uma resposta