Como criar um mapa de aplicação a taxa variada

1
830

gc023_6f

Como foi visto no post anterior (Veja aqui), é possível fazer uma aplicação de adubos sólidos a taxa variável através da utilização de um mapa de necessidade de adubos. Por conta disso nesse post darei algumas guidelines para a confecção de um mapa de necessidade de adubos.

A primeira coisa que guia a adubação é a análise do solo.

Para uma adubação convencional que é feita através da média do talhão, são feitas algumas amostras ao longo do talhão e o material é misturado e analisado. Na adubação de taxa variada é necessário saber quais são as propriedades do solo em cada ponto. Sendo assim, é necessária uma amostragem em grade para mostrar exatamente quais são as diferenças em cada parte do talhão. Sugere-se amostrar a cada 50m.

Feito isso, sabendo-se as quantidades de P e K que existem no solo, é preciso saber qual a cultura será plantada e assim qual a necessidade de complemento de adubo para essas culturas. Já para o nitrogênio aplica-se o padrão na primeira safra.

Com isso o talhão já possui uma grade amostral e deve-se usar uma metodologia de interpolação espacial. A mais usada para solo é a krigagem ordinária. e assim tem-se um mapa de necessidade de adubos.

Simples, só isso?

Calma. Com certeza se você  está pensando que é inviável amostrar solo a cada 50m. Por isso que a aplicação a taxa variada deve ser inserida no contexto de uma mudança total de tecnologia e adoção de agricultura de precisão.

Não é possível amostrar todos os anos o solo dessa maneira, porém fazendo-se apenas uma vez e mantendo um controle dos dados do talhão com precisão ainda assim é possível criar mapas de necessidade de adubo.

Nos anos seguintes é necessário observar a produção dentro do talhão para correlacionar com maior gasto de nutrientes e guiar amostragens pontuais para locais com maior distorção.

Espera-se que em alguns anos, a área esteja sistematizada e os mapas de adubação possam ser feitos com base na análise do grande volume de dados e as respostas da cultura ao longo dos anos.

 

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta