Porque eu tenho orgulho de ser Engenheiro Agrícola

1
538

dia_eng_agricola

Há sete anos atrás, infelizmente, eu não sabia exatamente o que um engenheiro agrícola fazia. Era aluno da UNICAMP e estava um pouco insatisfeito com outro curso que fazia na época.

Essa insatisfação que mudou tudo. Comecei a buscar algum curso que valorizasse a multidisciplinaridade e que realmente me desse a bagagem para poder revolucionar algumas coisas através de muito trabalho.

Com um pouco de sorte, consegui encontrar alguns estudantes da Faculdade de Engenharia Agrícola da UNICAMP e eles fizeram com que eu tivesse a curiosidade de procurar o que um engenheiro agrícola fazia.

Recordo que ao procurar informações a respeito não encontrei nada que fosse realmente útil para sanar minhas dúvidas, desta maneira, fui até o prédio da FEAGRI e então soube que os engenheiros agrícolas eram profissionais que estavam espalhados pelos mais diversos meios, até mesmo os não agrícolas, pela capacidade de serem analíticos e multidisciplinares.

Isso me chamou atenção e então prestei o vestibular novamente, desta vez sabendo que iria para um curso diferenciado e com o perfil que sempre busquei. Assim vou contar aqui algumas coisas que descobri durante a graduação que fizeram com que eu quisesse escrever esse post hoje.

Infelizmente nem tudo é como esperamos. Assim que iniciei o curso, toda minha família e meus amigos acharam que eu estivesse cursando agronomia (confesso que alguns até hoje em dia pensam isso). Descobri ao longo do curso que isso é algo que realmente aflige. É um curso muito diferente, mas por ser muito menos popular do que agronomia estamos fadados à comparação.

Ao longo dos anos também descobri que existem 5 grandes áreas de estudo dentro da Engenharia Agrícola:

  • Máquinas Agrícolas;
  • Pós-Colheita;
  • Irrigação;
  • Construções Rurais;
  • Planejamento Agrícola.

Outro fato importante que descobri é que pelo curso ser muito multidisciplinar, cada aluno deve buscar uma área para ser especialista e a melhor forma é fazer uma iniciação científica ou um estágio. Escolhi por fazer iniciação científica em uma área que me chamava atenção por ser ambiciosa: sensoriamento remoto (ou seja, ver as plantações por imagens de satélite). Imaginava que eu seria poderoso por controlar a agricultura do mundo todo sentado na frente de um computador. Acho que a missão foi cumprida, me sinto assim hoje em dia.

Claro que acontecem alguns problemas na vida dos futuros engenheiros agrícolas (e nem estou falando de cálculoIII, resmatII ou físicaIII). Ao procurar por estágios em empresas do agro, muitas desconhecem o que é a profissão e desdenham do que somos capazes. Esse desconhecimento do curso perante o mercado de trabalho é com certeza a maior frustração dos futuros profissionais. Muitas empresas agrícolas buscam no mercado perfis que são ou engenheiros, ou agrícolas e desconhecem que existe um profissional que pode ter essas duas características. Cabe então a alguns bravos engenheiros agrícolas desbravadores serem contratados nessas empresas e mostrarem as habilidades que possuímos. Sempre que isso acontece muitos outros são contratados em seguida.

Por fim, antes da formatura, a descoberta final é que se somos engenheiros agrícolas temos que conhecer profundamente o setor agrícola. Signifique isso colocar uma botina e ir para campo, seja estar dentro de um silo verificando como funciona. A teoria só funciona se você conhecer a prática. Aqueles que pensam que isso é besteira acabam sendo muito mais engenheiros e esquecem a parte agrícola. E o mercado de trabalho tem espaço para esses profissionais. Nossa capacidade analítica é reconhecida por muitos bancos e consultorias estratégicas.

Hoje já formado e com uma pequena bagagem posso dizer de boca cheia: TENHO ORGULHO DE SER ENGENHEIRO AGRÍCOLA. A formação que tive na universidade fez com que eu tivesse uma capacidade analítica aguçada, o senso crítico bem calibrado e a multidisciplinaridade nas veias. Essa combinação faz com que eu consiga conversar sobre quase todas as problemáticas do agronegócio com os diretores das grandes empresas rurais do país e do mundo sem enrolar ninguém; que eu seja especialista em uma determinada área mas que não deixe de ser generalista em outras e que eu entenda a importância do agronegócio como um todo para o país.

 Resolvi escrever isso por conta de hoje ser o dia do Engenheiro Agrícola e eu lembrar o quanto sou grato por essa profissão que escolhi há anos atrás. Espero que alguns colegas sintam-se assim também! Se sim, escreva aqui!

1 COMENTÁRIO

  1. Realmente é uma ótima profissão, mas recomendo a todos que antes de formarem, façam um estágio trainee ou qualquer estágio em alguma empresa, na área escolhida pois se deixar pra quando formar, será difícil conseguir algo.

Deixe uma resposta