O quê a Fazenda 4.0, fabricar smartphones e a física de partículas têm em comum?

0
386
Campo no Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab), EUA.

Estatística, muito dela. Mas calma, não será preciso que você conheça Física Aplicada para sua propriedade tirar proveito desta ferramenta. Explico.  Imagine que você produza grãos no cerrado, que exige cuidado especial nos tratos culturais do solo. Se aplicar pouco corretivo, é provável que aquela semente de qualidade que você comprou não produza a quantidade de sacas que ela deveria, fazendo você perder dinheiro. Se aplicar demais, ela terá chegado ao seu máximo de produtividade e você também perderá dinheiro no que foi aplicado desnecessariamente. É aí que entra a estatística como ferramenta auxiliar da produção agrícola.

Neste momento o leitor deve estar cobrando de mim uma resposta mais objetiva à pergunta do título deste artigo, o que farei agora: na natureza e nas coisas que os homens produzem, é raro (podemos até dizer que impossível) fazer algo exatamente igual ao outro, mas na maioria das vezes ficamos satisfeitos em fazer quase parecido. O quão parecido que vai depender dos critérios que nos satisfaçam e também do esforço (leia-se dinheiro) que queremos despender para atingir o objetivo.

 

Figura 1 – Alvo hipotético

Voltando ao exemplo do início, o produtor tem como centro do alvo (Figura 1) certa quantidade de calcário para aplicar por hectare. Se o tratorista andar mais rápido, a quantidade aplicada será menor e o inverso irá ocorrer se ele mover mais lentamente. Caso a rotação na TDP oscilar ou se houver qualquer entupimento parcial, o aplicado real vai ficar atingindo pontos ao redor do centro do nosso alvo imaginário, sendo que o ideal (e praticamente impossível) é sempre acertar o centro, por isso o objetivo é , na maioria das vezes, chegar o mais perto do olho do alvo.

 

Com a devida licença dos detalhes, na ciência os pontos deste alvo hipotético (para os casos corriqueiros) estariam dentro da curva de distribuição normal (Figura 2), com o centro coincidindo com a média (µ) dos valores observados e os intervalos de desvio padrão (σ, ou sigma) abrigando os porcentuais dos casos anotados. Na prática, definimos quais são as tolerâncias que achamos aceitáveis para não nos causar prejuízos e criamos o objetivo de qual será o percentual das situações que estaremos dentro desta tolerância. Quanto menos o processo variar e quanto mais perto do centro do alvo atingir, mais consistente estará a operação. Na Fazenda 4.0, esta consistência é atingida com o uso de sistemas de informação digital, treinamento dos funcionários e gestores, automatização de processos e manutenção adequada de equipamentos.

 

Figura 2 – Curva de Gauss, com os porcentuais incluídos dentro dos intervalos de desvio padrão.

 

Na década de 80, um grupo de engenheiros da Motorola criou a metodologia Six Sigma, o aplicando na produção de eletrônicos. Trabalhando continuamente no aperfeiçoamento dos seus processos, eles definiram o objetivo que apenas 3 em 1 milhão de produtos produzidos fiquem fora das tolerâncias especificadas. Em 2005 a Motorola divulgou que obteve cerca de US$ 17 bilhões em economia só por aplicar a ferramenta.  No caso da física de partículas, o que se procura é o contrário: observações que sistematicamente caem fora da distribuição estatística, com isso confirmando algo que era previsto na teoria. Foi o caso da confirmação provisória do bóson de Higgs (erroneamente chamada pela imprensa de partícula de Deus) em 2013.

Para finalizar, é importante que o leitor que é ligado ao agronegócio e que deseja melhorar o resultado financeiro da sua propriedade se atente às transformações que a Fazenda 4.0 pode realizar no seu negócio. O principal hábito que ele deve criar é o de se aperfeiçoar constantemente, para que sempre possa aplicar corretamente o conhecimento que o fará obter mais usando menos recursos. E lembre-se sempre: Sua fazenda não é muito diferente de uma fábrica  de última geração e nem menos importante que as descobertas que irão mudar o futuro das próximas gerações.

Deixe uma resposta